Publicado em 14.07.2017 - Expirados - Sem comentários

Fabiano Rocha estudou o ensino fundamental em escola pública em Rio Preto (SP), cursa engenharia no ITA e agora busca recursos para estudar no MIT.

 fabiano3

Nascido na periferia de São José do Rio Preto (SP), filho de pedreiro e de faxineira, o estudante Fabiano Rocha nunca se importou com os obstáculos que a vida colocou no caminho. Fã de matemática, o jovem sabia desde cedo que queria entrar em uma universidade. E agora ele está perto de realizar um sonho: estudar no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), uma das mais conceituadas universidades sobre tecnologia do mundo, que fica nos Estados Unidos.

Para conseguir essa vaga de intercâmbio, Fabiano teve de passar por um processo seletivo bem complexo. Além do teste de inglês e histórico escolar, Fabiano teve de mandar currículo, três cartas de recomendação, histórico pessoal e atividades extra curriculares.

“Fiz vários cursos do mestrado on-line do MIT para provar que era capaz de acompanhar as aulas, anexei as notas desses cursos na minha candidatura. Quando abri o e-mail de aprovação, foi um dos momentos mais felizes da minha vida, há quase três anos cogitava a ideia”, afirma o estudante.

Fabiano deverá ficar seis meses, sendo quatro meses de aulas e dois de pesquisas. No MIT, ele quer estudar matemática aplicada e logística, área na qual pretende trabalhar no futuro.

Mas…

Para conseguir viajar e se manter nos Estados Unidos, Fabiano busca condição financeira. Segundo ele, o total da viagem é de R$ 57 mil, que precisa arrecadar até o dia 16 de agosto.

“Estou buscando o dinheiro em várias frentes. Uma das frentes é a vaquinha on-line. Lá estou tentando arrecadar R$ 40 mil. O restante estou tentando angariar de outras formas, no trabalho, patrocínio de empresas e organização de eventos. Até agora consegui R$ 28 mil”, diz.

E-mail enviado pelo MIT para o estudante de Rio Preto (Foto: Reprodução)

E-mail enviado pelo MIT para o estudante de Rio Preto (Foto: Reprodução)

Fã de matemática

Enquanto os amigos gostavam de jogar bola e brincar na rua, Fabiano gostava de ler e brincar com jogos de lógica na escola. Como não tinha condições para comprar livros, ele passava grande parte do tempo na escola para aproveitar os recursos.

“Até o nono ano do ensino fundamental eu sempre estudei nas escolas do bairro. Foram três escolas diferentes, todas públicas. Em 2005, estava no sexto ano, foi lançada a primeira Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas e fui finalista. Como prêmio, ganhei uma bolsa de iniciação científica em matemática, na Unesp de Rio Preto”, afirma.

Era na universidade em Rio Preto que ele se preparava para outras Olímpiadas de Matemática. Fabiano ganhou medalha de bronze na mesma prova em 2007 e ouro na Olímpiada em Rio Preto. Com o talento em matemática, ele conseguiu uma bolsa integral em uma escola particular de Rio Preto. Fabiano então conseguiu passar em engenharia no ITA, Instituto Tecnológico de Aeronáutica, em São José dos Campos (SP).

“Fiquei muito feliz e esse sentimento foi acompanhado também por muitas pessoas. Desde os 12 anos de idade eu falava sobre o ITA. Algumas pessoas achavam impossível, mas outras acreditavam no meu sonho mais do que eu mesmo. Quando eu passei, todos comemoraram muito e lembrei de todas as pessoas que me ajudaram “, afirma.

Para se manter e buscar juntar dinheiro para ir ao MIT, Fabiano tenta trabalhar nas horas vagas. Como o curso no ITA é integral, ele busca dar aulas particulares de matemática, português, química e física.

“Com o dinheiro das aulas e uma bolsa da Associação de Engenheiros do ITA conseguia me manter, pagar a escola do meu irmão mais novo e guardar um pouco para o intercâmbio”, afirma.

Fabiano chegou a fazer intercâmbio pelo ITA (Foto: Arquivo Pessoal)

Fabiano chegou a fazer intercâmbio pelo ITA (Foto: Arquivo Pessoal)

Fonte: Portal G1 Educação – Acessado em 14/07/2017